Hospital SAMS

Estruturas representativas dos trabalhadores defendem reabertura dos serviços clínicos dos SAMS Sul e Ilhas

O Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas (SBSI) - agora designado Mais Sindicato, que gere os Serviços de Assistência Médico-Social (SAMS) do Sul e Ilhas, passadas 2 semanas após ter decidido encerrar os Serviços Clínicos dos SAMS e recorrer ao Lay-Off continua sem responder aos pedidos de esclarecimento solicitados pela Comissão de Trabalhadores (CT) e pelos Sindicatos representativos dos Trabalhadores ao seu serviço.

 

A Direcção do SBSI/Mais Sindicato determinou o encerramento dos Serviços Clínicos e administrativos, em 19 de Março e informou através de comunicação enviada aos Trabalhadores, em 24 de Março, que pretendia recorrer ao regime de Lay-Off simplificado e consequente suspensão dos contratos de trabalho, sem prévia e formalmente auscultar, os representantes dos Trabalhadores.

Perante a referida comunicação, CT e Sindicatos pediram esclarecimentos aos responsáveis institucionais e simultaneamente deram conhecimento, à Ministra do Trabalho, da Solidariedade e da Segurança Social; à Ministra da Saúde e à Inspectora-Geral do Trabalho.

Os representantes dos Trabalhadores do SBSI/SAMS reportaram ainda às referidas entidades, que apesar destes encerramentos, as instituições bancárias, os trabalhadores bancários (incluindo os sócios do SBSI/Mais Sindicato) e os próprios Trabalhadores, continuam a efectuar mensalmente as suas contribuições, para os SAMS.

Face ao encerramento destes Serviços Clínicos deixaram de ter acesso aos cuidados de saúde, que continuam a pagar, sendo certo que, para a generalidade destes utentes, os seus cuidados de saúde eram exclusivamente prestados no Hospital SAMS, no Centro Clínico de Lisboa, assim como, nas Clínicas SAMS regionais.

Os representantes dos Trabalhadores defendem a urgente reabertura dos SAMS, dado que são extremamente necessários aos seus cerca de 100 mil beneficiários/utentes e à população em geral, que actualmente têm que recorrer às sobrelotadas instituições do Serviço Nacional de Saúde.

Desta forma consideram desnecessário o Lay-Off, que os dirigentes do SBSI/Mais Sindicato unilateralmente decidiram, permitindo assim poupar centenas de milhares de euros mensais, ao erário público e particularmente, à Segurança Social.

Os representantes dos Trabalhadores do SBSI/SAMS reafirmam ainda, a sua total disponibilidade, para dialogar e apoiar todas as medidas, que com boa-fé e transparência visem garantir: a reabertura dos Serviços Clínicos e administrativos, os respectivos postos de trabalho e as adequadas e seguras condições de exercício.

P’ los Sindicatos / P’la Comissão de Trabalhadores do SBSI/SAMS Sul e Ilhas

SBSI SAMS Comunicadogeral Abr2019

© 2018 Sindicato dos Médicos da Zona Sul