Hospital de Loures

Os Acordos de Empresa celebrados, em 2017 e 2020, entre os Sindicatos Médicos e as Sociedades Gestoras do Hospital de Vila Franca de Xira e do Hospital de Loures, no âmbito das pretéritas parcerias público-privadas, não caducaram com a transformação daqueles estabelecimentos hospitalares em entidades públicas empresariais, mantendo a sua plena validade e aplicação aos trabalhadores médicos sindicalizados integrados na carreira médica, isto é, aos detentores do vínculo de contrato individual de trabalho.

Consulte a análise do Departamento Jurídico do SMZS na íntegra.

Caderno em fundo vermelho

No momento em que falta pouco mais de um mês para as eleições legislativas, a 30 de janeiro, a Federação Nacional dos Médicos (FNAM) tomou a iniciativa de enviar o seu caderno reivindicativo aos partidos políticos com grupo parlamentar eleito, colocando-se à disposição para reunir no fim de dezembro, de forma a aprofundar as nossas propostas de melhoria para o SNS e de condições de trabalho para os médicos.

Frame do vídeo «É preciso defender o SNS»

 

O SNS somos todos nós. É preciso defender o SNS e garantir que continua a promover a saúde de todos.

A FNAM defende as carreiras médicas e a progressão na carreira, a melhoria das condições de trabalho e de uma remuneração justa, digna e adequada; a dedicação exclusiva para todos, opcional e majorada; e medidas de combate à precariedade.

É com preocupação que a Federação Nacional dos Médicos (FNAM) constata que houve dezenas de vagas de Formação Específica do Internato Médico que não foram ocupadas, com acentuadas assimetrias regionais.

Pela primeira vez, desde que há mais candidatos que vagas disponíveis no processo de escolha de especialidade, sobraram cerca de 50 vagas, não sendo escolhidas pelos mais de 500 médicos que estariam em condições de o fazer.

Ao grave problema do contingente de médicos sem formação especializada - que todos os anos tem vindo a aumentar - acresce agora o problema destes médicos que optam por não continuar a sua formação especializada no Serviço Nacional de Saúde (SNS), apesar de existirem capacidades formativas. É extremamente preocupante.

© Sindicato dos Médicos da Zona Sul