Facebook

Arquivo Jurídico

sindicalizese

Minuta de responsabilidade civil

Médicos Hospitalares
Médicos de Família
Reclamação do pagamento aos médicos especialistas que exercem funções da categoria de assistente
Informação
Formulário Inrtutório

Descanso Compensatório. Trabalho Noturno. Trabalho ao Domingo, em Dia de Descanso Semanal e em Dia Feriado

Minuta para
descanso
compensatório

Minutas de requerimento das progressões remuneratórias obrigatórias

Medicina Geral 
e Familiar
Carreira 
Hospitalar
Parecer/FNAM 
n.º 1/2018

Ler mais...

Minutas para pedir a atribuição de incentivos
Médicos com CIT
Médicos com CTFP
Minutas para solicitar a regularização do pagamento do trabalho noturno
Médicos com CIT
Médicos com CTFP

O Despacho nº 1194-A/2018, publicado ontem, apesar de afirmar que a defesa do SNS é prioritária bem como o relançamento da reforma dos Cuidados de Saúde Primários e a criação de novas Unidades de Saúde Familiares (UF), vem pelo contrário atacar de forma inaceitável os Cuidados de Saúde Primários e o direito dos utentes a uma assistência com a melhor qualidade possível!

Ao limitar a 30 o número de USF modelo A a constituir em 2018, limita de forma cínica o esforço, o sonho e a vontade dos profissionais para se organizarem neste modelo de assistência que traz mais valias para os utentes, sem qualquer impacto financeiro.

Por outro lado, não existe qualquer lógica de impedir a totalidade das 27 USF modelo A que estão prontas a progredirem para o patamar seguinte de USF modelo B, ao limitar a transição a apenas vinte.

 

Como se explica que os ministérios da Saúde e Finanças optem por gastar milhões na contratação de empresas prestadoras de serviços e na recente contratação de médicos indiferenciados para os Centros de Saúde, e não invistam no modelo USF? Este modelo além de provas dadas de qualidade de assistência, eficácia e rentabilidade, é mais atrativo para os jovens especialistas de Medicina Geral e Familiar, dá já cobertura a 60% do país, com uma média de utentes abrangidos superior e com menor gasto em horas extraordinárias.

Tudo se parece enquadrar numa estratégia de boicote aos Cuidados De Saúde  Primários!

Este despacho em conjunto com a inexistente contratualização com as Unidades Funcionais implementadas  (UCSP, USF) torna-se num ataque feroz à reforma dos CSP, levando à desmotivação  dos profissionais e perpetuando as más condições de trabalho! Exigimos que este Governo apoie a vontade, o esforço e respeite os médicos do SNS! A defesa do SNS não é de certeza uma das prioridades deste Governo!

2 de Fevereiro de 2018
A Comissão Executiva da FNAM